O Conselho de Representantes por Local de Trabalho de Joinville reuniu-se na quarta-feira (17/5) na sede do Sinsej. Os servidores presentes discutiram os resultados das negociações com o prefeito Udo Döhler até o momento e retornam às unidades para mobilizar a assembleia geral da categoria que acontecerá em 1º de junho, às 19 horas, na Câmara de Vereadores de Joinville.

Campanha Salarial

Após quatro rodadas de negociação, Udo sinalizou apenas o reajuste de metade da inflação, o que significaria menos de 2%, e ainda de forma parcelada. Em relação ao restante da pauta, há sinal verde apenas para a regulamentação da hora-termo, garantindo aos professores que trabalham nesta situação precária direitos como a apresentação de atestado médico; para a possibilidade de ingresso na Educação com módulos de 40 horas e para o acesso a mais aulas no decorrer do ano letivo. As demais cláusulas econômicas e sociais, que beneficiam todos os setores da Prefeitura, permanecem sem resposta. O Conselho avaliou a inadmissibilidade desta situação e a necessidade de preparar nos locais de trabalho a deflagração de greve.

Ocupa Brasília

Também foi pauta da reunião a participação do Sinsej no Ocupa Brasília, convocado nacionalmente para 24 de maio, contra a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional de Reforma da Previdência, prevista para ser votada no plenário da Câmara dos Deputados no fim de maio. Os servidores têm sido exemplo de mobilização nas atividades convocadas pelas centrais nos últimos meses. Agora, todos os trabalhadores que têm disponibilidade estão convidados a representar a categoria na delegação da entidade.

O transporte será custeado pelo Sinsej e a inscrição para participar foi prorrogada até segunda-feira (22/5), 12 horas. As vagas são limitadas e é preciso confirmar pelo telefone 3433 6966, informando nome completo, RG e CPF. A comunidade também está convidada. Para servidores sindicalizados, a alimentação será garantida.

Ainda durante a reunião do Conselho, jovens da União Joinvilense de Estudantes Secundaristas (Ujes) solicitaram ajuda dos servidores para custear a alimentação de estudantes na viagem. Mais de 30 conselheiros presentes, que declararam apoiar a atividade, mas não ter condições de participar, pediram que suas custas de alimentação fossem revertidas a um jovem.

Dia da Família na Escola

Servidores lotados em unidades escolares têm denunciado que estão sendo obrigados a trabalhar no Dia da Família na Escola, que acontece em um sábado no mês de junho. Esta atividade ocorre há anos na rede municipal, sem nunca ter havido necessidade de coerção dos trabalhadores, que muitas vezes se propõem voluntariamente a ajudar e negociam com suas chefias diretas o gozo ou pagamento destas horas trabalhadas para além de sua jornada habitual. Os conselheiros irão discutir a situação e identificar os problemas nos locais de trabalho para que na assembleia de 1º de junho seja tomada uma decisão coletiva do setor sobre como se contrapor a esta imposição.

Comentários
  • Joubert Guimarães
    Responder

    Tá ficando difícil. Obrigar o servidor a participar do Dia da Família; não discutir a pauta de reivindicações e reajustar metade da inflação…. se a reforma da previdência for aprovada, certamente o prefeito não terá dúvidas em aplicá-la imediatamente… com todo o escândalo do PMDB e, o sr. Udo querendo se candidatar á governador…devemos refletir sobre tudo, mais do que nunca!

Deixe um comentário