Encerrada a greve dos servidores de Itapoá

Terminou nessa quarta-feira (14/6) a greve dos servidores municipais de Itapoá. O movimento, que começou em 29 de maio, conquistou:

  • Reposição da inflação – de 3,99% – em uma vez na data-base.
  • 1% de ganho real parcelado em duas vezes de 0,5%, nos meses de outubro e novembro.
  • 10,12% de reajuste no vale-alimentação – elevando o valor para R$ 400.
  • Prazo de 60 dias para análise do projeto de eleição direta para diretores de escola.
  • Prazo de 180 dias para análise do novo Plano de Cargos, Carreira e Salários dos servidores.
  • Compromisso de que nenhum projeto que diga respeito aos servidores seja enviado à Câmara de Vereadores antes de ser discutido com a categoria.
  • Abono de metade dos dias paralisados e possibilidade de reposição de metade.
  • Retirada da ação judicial movida contra o sindicato pela greve.

Intransigência do governo

Durante os 17 dias de paralisação, a categoria enfrentou a intransigência do governo municipal, que abriu a mesa de negociação apenas no 16º dia. Em assembleia na noite de ontem, após uma tarde de negociações entre a direção do sindicato e o prefeito Marlon Neuber, os servidores avaliaram a dificuldade de diálogo com a administração, analisaram a possibilidade de refluxo do movimento a partir da próxima semana e decidiram, estrategicamente, encerrar o movimento, preservando os ganhos obtidos sem nenhum tipo de penalidade aos trabalhadores.

No próximo período a categoria precisará continuar mobilizada, lutando pelo cumprimento dos acordos e pelo restante das reivindicações ainda não atendidas.

Capacidade de organização fortalecida

Esta é a terceira greve realizada pelos servidores de Itapoá. Nos últimos anos esta categoria avançou muito em sua consciência de luta e na ampliação de seus direitos. Nacionalmente, os trabalhadores têm sido penalizados em decorrência de uma crise da qual não são culpados, com reformas na Previdência, nas leis trabalhistas e no Ensino, com a possibilidade de terceirização sem limites e com o corte de investimentos públicos pelos próximos 20 anos. Em âmbito municipal, diversos prefeitos têm tentado impor aos servidores pacotes drásticos para retirar direitos.

Em um futuro próximo será necessário voltar a se manifestar em defesa de toda a classe e, especificamente, dos servidores de Itapoá. Assim, é uma grande vitória que a categoria tenha saído desta greve com conquistas, de forma vitoriosa, unida, organizada e pronta para permanecer em luta.

Exibindo 2 comentários
  • JR
    Responder

    Acho q o sinsej ao assumir duas greves ao mesmo tempo falhou. Bom, espero q a próxima seja melhor.

    • Sinsej
      Responder

      Olá, Beto

      Esteja à vontade para fazer suas críticas e dar suas sugestões. Um bom espaço para esse debate são as reuniões do Conselho de Representantes, que é uma instância que ajuda a entidade a alinhar sua política com as necessidades da base. Quanto as duas greves acontecerem ao mesmo tempo, no nosso entendimento não há nada de falho nisso. De 40 diretores da nossa diretoria plena, 3 são de Itapoá, o que garante suficientemente que as atividades em ambas as cidades ocorram de forma independente e sem prejuízos. Entretanto, também esperamos que a próxima campanha salarial seja melhor em todos os sentidos.

Deixe um comentário