por
 em Joinville

Nova proposta será avaliada amanhã, às 9 horas, em frente à Prefeitura

Parcelamento impõe perdas aos trabalhadores I Foto: Francine Hellmann

Parcelamento impõe perdas aos trabalhadores I Foto: Francine Hellmann

Em reunião com a direção do Sinsej no final da tarde desta segunda-feira, o prefeito Udo Döhler aumentou a proposta de reajuste salarial para os servidores para o valor da inflação parcelado em quatro vezes, a ser pago nos meses de setembro, outubro, novembro e dezembro. De manhã, ele havia avançado em 1%.

Afirmou ainda que vai cumprir a lei e corrigir a perda inflacionária do vale-alimentação. Para além disso, comprometeu-se apenas em regulamentar a hora-termo do magistério e estender a Gratificação de Alta Complexidade a um pequeno número de técnicos de radioterapia do Hospital Municipal São José. Em relação aos dias parados, o prefeito oferece o abono da paralisação da última semana, que ocorreu em 7 de junho, desta segunda-feira e do período da manhã de amanhã.

Os diretores do sindicato tencionaram na mesa de negociação por outros pontos importantes para o conjunto da categoria, como a revogação da portaria que suspende os direitos de venda de um terço de férias, gozo ou indenização da licença-prêmio, além do abono natalino. Também frisaram que a proposta de reajuste salarial apresentada traz prejuízos financeiros aos trabalhadores. Udo, no entanto, foi irredutível. “Sem chance” e “não há espaço” foram as respostas repetidas várias vezes pelo prefeito.

“Esta proposta está longe de ser boa”, enfatizou o presidente da entidade, Ulrich Beathalter, para o prefeito. “Não repor a inflação na data-base e manter a suspensão de direitos estatutários é um retrocesso”.

Todos os servidores estão chamados a estarem às 9 horas, em frente à Prefeitura, para analisarem o novo posicionamento do governo e decidirem os rumos do movimento. Antes disso, às 7h30, o comando de greve reúne-se no Sinsej para avaliar os roteiros realizados na tarde de hoje nos locais de trabalho.

Café comunitário

Os servidores que se encontram paralisados fazem amanhã um café comunitário em frente à Prefeitura. Leve seu lanche para partilhar entre os trabalhadores.

Exibindo 5 comentários
  • iriam Hostin
    Responder

    no aceitem o alemon ta com a corda nos pescoço, tem que ser retroativo a maio, e so apertar o lava jato.

  • pedro golembiewski
    Responder

    refleccão

    Reflexão do dia ( não adianta lutar por justiça,pois lavamos as nossas mãos todos os dia.)

  • INDIGNADO
    Responder

    Fazer o que? somente quando nossa categoria entender que somente com a união de todos, conseguiremos pressionar e receber um pouco mais que estas migalhas, teremos avanços mais significativos, sem isso, infelizmente fica muito dificil!!!
    Parabenizo o SINSEJ e os guerreiros que lutaram por essa conquista…é pouco, acho que todos concordam que sim…mas pelo menos é o dobro do que a prefeitura estava oferecendo.

  • Lelis
    Responder

    Governador não será.
    Os funcionários públicos decepcionados, as obras paradas ou em passo de tartaruga, vão mostrar a todos quem é esse cidadão.
    A justiça o aguarda nas urnas.

  • Hermínia Guimarães
    Responder

    É desnecessário ficar tentando provar algo a alguém. As pessoas tomam como verdade aquilo o que lhes convém.

Deixe um comentário