por
 em Joinville

Pela oitava vez o governo de Udo Döhler pediu o parcelamento de cotas patronais previdenciárias não repassadas ao longo de um semestre ao Ipreville e, assim como em todas as situações anteriores, o Conselho Administrativo aprovou. Só com  parcelamentos de contribuições a Prefeitura passa a dever aproximadamente R$ 200 milhões ao instituto. Somando este valor às dívidas de insuficiências atuariais, que representam hoje mais de R$ 710 milhões, o débito do município com a previdência de seus trabalhadores já alcança quase R$ 1 bilhão.

A votação no Conselho aconteceu na tarde desta terça (18/7) e foi acompanhada por vários servidores que atenderam ao chamado do Sinsej. Todos os representantes da categoria – um diretor do sindicato e três servidores eleitos – foram contra o parcelamento. Porém, como a composição das cadeiras é “paritária” e os outros quatro conselheiros são indicados pela Prefeitura, a votação empatou. Assim, a decisão final foi tomada pela presidente, indicada pelo governo.

Desde que assumiu, Udo Döhler não pagou em dia nem um mês das cotas previdenciárias patronais. Semestre após semestre, a Prefeitura vem atrasando pagamentos e, às vésperas de perder o Certificado de Regularidade Previdenciária, propõe o parcelamento da dívida acumulada. A soma das parcelas mensais pagas pela Prefeitura ao Ipreville somente com parcelamentos chegará agora a quase R$ 5 milhões mensais.  Se considerada a reposição das insuficiências atuariais, as prestações sobem para R$ 7 milhões.

Os servidores têm feito a experiência de eleger todos os representantes possíveis para votar contra os parcelamentos no Conselho Administrativo do Ipreville, desde 2015. Porém, esta medida tem sido insuficiente. A única forma, de fato, de fazer com que o governo pague em dia suas obrigações com a previdência dos trabalhadores é a luta política direta, com a unidade e a mobilização da categoria.

#TiremAsMãosDaNossaPrevidência

Exibindo 3 comentários
  • Marcos
    Responder

    Sei que é difícil na atual conjuntura que algum vereador ou deputado apresente um projeto que imponha limites a esse absurdo de parcelamentos seguidos que comprometem as futuras gestões municipais e poem em risco a previdência dos servidores. Tem que se acabar com esse jogo de compadres deveria ser também direito dos servidores eleger o presidente do IPREVILLE.

  • Não mexam na minha aposentadoria
    Responder

    Essa administração e o conselho do Ipreville são uma vergonha…. pior que tem servidor de carreira votando a favor disso….claro que são comissionados e não querem perder a boquinha….mas toda essa manobra que a prefeitura está fazendo hj com certeza vai refletir num futuro bem próximo…aí esses traidores vão lamentar por fazer parte dessa vergonha.

  • Eva dos Santos
    Responder

    Essa Gestão, dia a dia se supera, na incompetência, nas atitudes ardilosas,…descem ao nível mais baixo, mais podre que pode existir. E tem quem se “ache” em ser “baixo” e “vil”.

Deixe um comentário