Movimento prepara a categoria para as próximas lutas | Foto: Francine Hellmann

Movimento prepara a categoria para as próximas lutas | Foto: Aline Seitenfus

Acabou hoje (4/10) a segunda greve realizada pelos servidores de Joinville este ano. Todos os serviços serão restabelecidos normalmente a partir de amanhã. O movimento, que começou segunda-feira, reivindicava condições de trabalho e respeito a direitos estatutários da categoria.

Desde o anúncio da greve, na semana passada, a Prefeitura começou a se mover. Na reunião de negociação entre o sindicato e o governo ontem houve mais avanços. “O que nós fizemos nesta semana vai para a história desta categoria“, considerou o presidente do Sinsej, Ulrich Beathalter, após a votação. “É a primeira greve que realizamos com tamanha qualidade, tão politizada, com tão alto grau de consciência”, avaliou. Para o sindicato, a greve trouxe conquistas não apenas para a categoria, mas para toda a comunidade.

Conquistas da greve:

O Centro de Atenção Psicossocial III Dê-Lírios (Caps III) conseguiu derrubar a imposição de jornada de trabalho de 44 horas e garantir a manutenção da gratificação recebida no local. Serão restabelecidas as jornadas anteriormente praticadas, que variam entre 30 e 42 horas semanais, de acordo com a função desempenhada, com melhorias nas escalas de trabalho. Este setor estava em greve desde 15 de setembro.

A verba do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (Pmaq) referente a 2016 será dividida na proporção de 70% para as equipes de saúde da família contratualizadas e 30% para utilização da administração. Esta era a divisão solicitada pelos trabalhadores. No entanto, a Prefeitura insiste em modificar as regras para 2017, modificando a proporção para 50% aos trabalhadores e 50% para a administração.

Em relação ao corte de recesso para os servidores lotados no CCA e no ambulatório do Hospital São José, o governo garantiu que o descanso será concedido caso não haja necessidade de abrir estes setores neste período.

Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) já estão sendo distribuídos nas unidades de obras e a Prefeitura promete que eles serão entregues também às cozinheiras.

Os coveiros terão sua remuneração atual mantida.

A transferência do agente operacional de edificação Eleidir Hoffmann, da Subprefeitura Sul, que estava sendo punido por denunciar a situação do seu local de trabalho, foi cancelada.

A diretora que praticou assédio moral e teve vídeo divulgado pelo Sinsej e pela imprensa foi afastada para averiguação.

Em relação ao restabelecimento do pagamento de licença-prêmio, há a promessa de apresentação de proposta e apenas para a Secretaria de Educação.

O fornecimento de merenda nos Centros de Educação Infantil está sendo restabelecido.

A Prefeitura se comprometeu ainda em cancelar a falta injustificada aplicada aos servidores que participaram da paralisação nacional de 30 de junho.

Os dias de paralisação da greve poderão ser compensados, sem prazo delimitado e sem prejuízos na carreira dos trabalhadores. Compreendem-se os dias 28 de setembro (assembleia com paralisação) e os dias 2, 3 e 4 de outubro (greve).

Assembleia de 4/10, que encerrou a greve por condições de trabalho

Exibindo 20 comentários
  • Evandro
    Responder

    Parabéns a todos os servidores que empenharam seu tempo, seu suor e sua cara a tapa!!!!

    É disso que precisamos!!!! Mais uma vez Parabéns a todos!!!!

  • Asenate
    Responder

    Parabéns pessoal vocês são de luta mesmo,tiro chapéu bjs a todos

  • ELAINE GROPP
    Responder

    E quanto ao recesso dos servidores que trabalham em serviços de não são de urgência/emergência na SMS?

    • Sinsej
      Responder

      Elaine
      Há alguns setores sendo convocados para trabalhar no recesso. O sindicato orienta que os servidores se organizem e chamem a direção do Sinsej para que juntos enfrentemos a convocação.

  • Marcos
    Responder

    NAo entendi pq estudar pagar licenca premio apenas para educacao !
    E o PMAQ deve ser pago conforme a porcentagem de divisao da portaria vigente !

    • Hoyt Labrador
      Responder

      Concordo, Marcos. Se estamos todos sujeitos à mesma lei orgânica, por que esta diferenciação?

  • Marcso
    Responder

    Pagamento de licença prêmio somente para a educação? É o restante? Não são funcionários da prefeitura?

  • Carmem
    Responder

    Por que licença prêmio só para educação?
    O PMAQ é nosso, ele já existe muitos impostos para administração, eles que administrem direito

  • Cristiano
    Responder

    Pgto do recesso para quem trabalha nada….ABSURDO.

  • PEDRO SANTANA MOTA
    Responder

    Parabéns, bravos trabalhadores! Dignidade não se negocia!

  • Mateus Costa
    Responder

    Parabéns à todos os colegas que participaram de mais uma batalha

  • Sinsej
    Responder

    Companheiros
    Quem impôs na pauta o estudo de pagamento apenas para a Educação foi a Prefeitura, não o Sinsej. É preciso estar atento a algumas coisas: 1) Ainda não há garantia de que este setor receba, já que é apenas um estudo. 2) Apresentar as coisas nestes termos é uma forma clara de tentar dividir a categoria para prejudicar a continuidade do movimento. 3) A pauta apresentada pelo sindicato, formulada em assembleia, pedia para todos. Neste momento ainda não tivemos força para obter nem o pagamento imediato da licença-prêmio a todos nem vários dos outros pontos reivindicados. Isto está diretamente relacionado com a quantidade de servidores que aderiram à greve. No entanto, nosso movimento foi positivo, demonstrou extremo amadurecimento e trouxe avanços. A categoria está no caminho certo e segue organizando-se para embates maiores, que tragam mais conquistas.

  • Andréa
    Responder

    Trabalho na educação e solictei para usufruir a licença premio e eles negaram, será que isso será analisado também? Não estou vendendo a licença, gostaria de usufruir e mesmo assim não permitem.

  • Ligia
    Responder

    E o PMAQ? Ficou tão confuso a decisão do gestor. O sindicato tbm. não esclareceu bem. Muitas equipes que receberam o auditor descontratualizaram porque não receberam nada. A conversa dos “bastidores” é que este dinheiro não vem! Seria possível o sindicato nos informar melhor? Obg.

  • Ligia
    Responder

    ENTÃO…

  • Simone Rodrigues da Silva
    Responder

    Faço minha as palavras da Lígia ,uma das questões da greve não era que 0 PMAQ fosse pago de imediato?

    • Sinsej
      Responder

      Olá, Simone

      Sim, essa era uma das questões da greve. Agora depende de projeto enviado à Câmara para o pagamento. Abraço!

  • Ligia
    Responder

    A falta de resposta do sindicato ao meu comentário sobre o PMAQ, nos leva supor que o sindicato (apesar de ter anunciado no fim da paralisação), não tratou de fato este item. Para muitos, é um item sem importância, mas para nós é um direito que nos foi tirado. Não queremos sentir que esse assunto só foi tratado na paralisação para ter números.

    • Sinsej
      Responder

      Olá, Ligia

      É importante esclarecer que foi a categoria que votou pelo fim da greve. Informando novamente, sobre o Pmaq o governo se comprometeu em pagar, porém não formalizou um prazo. O sindicato está cobrando o cumprimento deste acordo. Abraço.

  • Andréa
    Responder

    Trabalho na educação e solictei para usufruir a licença premio e eles negaram, será que isso será analisado também? Não estou vendendo a licença, gostaria de usufruir e mesmo assim não permitem.
    Voces tem algum posicionamento sobre isso?

Deixe um comentário