por
 em Joinville

 

Arte
A Campanha Salarial 2018 já começou para os servidores das três cidades representadas pelo Sinsej. Em Joinville, a pauta de reivindicações será elaborada pela categoria no dia 28 de março, às 19 horas, na sede do sindicato. Em Itapoá, os servidores se reúnem em assembleia no dia 27 de março, às 19 horas, na Câmara de Vereadores. Nestas duas cidades a data-base é em maio. Já em Garuva, a data-base é em abril e a assembleia para tirada de pauta acontece no dia 28 de fevereiro, às 19 horas, na sede do Sinsej na cidade.

Este é um dos momentos mais importantes do ano para a categoria. Neste período, os trabalhadores se dirigem coletivamente às prefeituras, abrindo negociações por reajuste salarial e demais reivindicações. Em 2018, o tema da Campanha Salarial é “Na luta pelo serviço público #NãoTemArrego”. Ele significa que os servidores não medirão forças contra a destruição do serviço público que está ocorrendo nos municípios, nos estados e na esfera federal.

Entre as reivindicações deste ano será preciso estar: a valorização dos servidores, a reposição permanente de materiais em todos os setores, a contratação de mais funcionários e o fim do assédio moral das chefias. Chega de precarização no trabalho dos profissionais e no atendimento à população. É preciso lutar contra a tentativa dos governos de entregarem saúde, educação, transporte e todos os serviços públicos para empresas privadas, que lucram com as necessidades mais básicas da população.

Conselho de Representantes

Antes das assembleias, os conselhos de representantes de Joinville e Itapoá reúnem-se para elaborar uma pré-pauta de reivindicações. Em Itapoá será dia 20 de março, 14 horas, no Sinsej. Em Joinville, dia 21 de março, 14 horas, no Sinsej.

Se a sua unidade ainda não tem um representante, basta reunir a equipe, escolher um colega e preencher a ata de eleição – disponível no site do sindicato.

Datas das assembleias

Garuva: 28 de fevereiro, 19h, Sinsej
Itapoá: 27 de março, 19h, CVI
Joinville: 28 de março, 19h, Sinsej

 

Exibindo 5 comentários
  • Agente administrativo ESCOLAR
    Responder

    Agentes administrativos das escolas x Agentes administrativos da Prefeitura.

    Equiparação salarial já!!!!
    A lei é clara.

    Nº 6 – EQUIPARAÇÃO SALARIAL. ART. 461 DA CLT (Redação do item VI alterada na sessão do Tribunal Pleno realizada em 09.06.2015) (…) II – Para efeito de equiparação de salários em caso de trabalho igual, conta-se o tempo de serviço na função e não no emprego. (ex -Súmula nº 135 – RA 102/1982, DJ 11.10.1982 e DJ 15.10.1982). III – A equiparação salarial só é possível se o empregado e o paradigma exercerem a mesma função, desempenhando as mesmas tarefas, não importando se os cargos têm, ou não, a mesma denominação. (ex-OJ da SBDI-1 nº 328 – DJ 09.12.2003).

    IV – É desnecessário que, ao tempo da reclamação sobre equiparação salarial, reclamante e paradigma estejam a serviço do estabelecimento, desde que o pedido se relacione com situação pretérita. (ex-Súmula nº 22 – RA 57/1970, DO-GB 27.11.1970). (…) VI – Presentes os pressupostos do art. 461 da CLT, é irrelevante a circunstância de que o desnível salarial tenha origem em decisão judicial que beneficiou o paradigma, exceto: a) se decorrente de vantagem pessoal ou de tese jurídica superada pela jurisprudência de Corte Superior; b) na hipótese de equiparação salarial em cadeia, suscitada em defesa, se o empregador produzir prova do alegado fato modificativo, impeditivo ou extintivo do direito à equiparação salarial em relação ao paradigma remoto, considerada irrelevante, para esse efeito, a existência de diferença de tempo de serviço na função superior a dois anos entre o reclamante e os empregados paradigmas componentes da cadeia equiparatória, à exceção do paradigma imediato. (…) X – O conceito de ”mesma localidade” de que trata o art. 461 da CLT refere-se, em princípio, ao mesmo município, ou a municípios distintos que, comprovadamente, pertençam à mesma região metropolitana. (ex-OJ da SBDI-1 nº 252 – inserida em 13.03.2002).

  • Servidor
    Responder

    O que é assédio moral?
    É toda e qualquer conduta abusiva que se manifesta com comportamentos, palavras, atos, gestos, que possam causar danos à personalidade, à dignidade ou à integridade física ou psíquica de uma pessoa, principalmente quando coloca em risco o emprego ou degrada o clima no ambiente de trabalho.

    A Justiça reconhece o dano moral em razão do assédio moral?
    O Tribunal Superior do Trabalho (TST) decidiu o caso de um vendedor de uma empresa de bebidas que não conseguia atingir as metas de venda e por isso ele tinha que “pagar um castigo”.

    Esta empresa tomou conhecimento do fato, mas não fez nada. Por esta omissão ela foi condenada a pagar R$ 100 mil por danos morais ao empregado.

  • Servidor
    Responder

    Nº 6 – EQUIPARAÇÃO SALARIAL. ART. 461 DA CLT (Redação do item VI alterada na sessão do Tribunal Pleno realizada em 09.06.2015) (…) II – Para efeito de equiparação de salários em caso de trabalho igual, conta-se o tempo de serviço na função e não no emprego. (ex -Súmula nº 135 – RA 102/1982, DJ 11.10.1982 e DJ 15.10.1982). III – A equiparação salarial só é possível se o empregado e o paradigma exercerem a mesma função, desempenhando as mesmas tarefas, não importando se os cargos têm, ou não, a mesma denominação. (ex-OJ da SBDI-1 nº 328 – DJ 09.12.2003).

    IV – É desnecessário que, ao tempo da reclamação sobre equiparação salarial, reclamante e paradigma estejam a serviço do estabelecimento, desde que o pedido se relacione com situação pretérita. (ex-Súmula nº 22 – RA 57/1970, DO-GB 27.11.1970). (…) VI – Presentes os pressupostos do art. 461 da CLT, é irrelevante a circunstância de que o desnível salarial tenha origem em decisão judicial que beneficiou o paradigma, exceto: a) se decorrente de vantagem pessoal ou de tese jurídica superada pela jurisprudência de Corte Superior; b) na hipótese de equiparação salarial em cadeia, suscitada em defesa, se o empregador produzir prova do alegado fato modificativo, impeditivo ou extintivo do direito à equiparação salarial em relação ao paradigma remoto, considerada irrelevante, para esse efeito, a existência de diferença de tempo de serviço na função superior a dois anos entre o reclamante e os empregados paradigmas componentes da cadeia equiparatória, à exceção do paradigma imediato. (…) X – O conceito de ”mesma localidade” de que trata o art. 461 da CLT refere-se, em princípio, ao mesmo município, ou a municípios distintos que, comprovadamente, pertençam à mesma região metropolitana. (ex-OJ da SBDI-1 nº 252 – inserida em 13.03.2002).

  • Daniela
    Responder

    Assédio moral é ir ao ambulatório do servidor e ser humilhado por uma médica. Não sei como ela fez medicina. ” Pai com câncer” ? Isso não afeta em nada no seu trabalho. Vá trabalhar! Foi o que ela me disse! Saí de lá tão arrasada que não tive força para denunciar.

  • Maria Da Gloria MIRA
    Responder

    Infelizmente as pessoas ainda tem medo de denunciar. Aparecer nas reuniões quando são convidadas. E ficam por fora de seus direitos. MARIA 🤗🤗🤗

Deixe um comentário