por
 em Joinville
A única alternativa é construir uma grande greve por tempo indeterminado | Foto: Aline Seitenfus

A única alternativa é construir uma grande greve por tempo indeterminado | Foto: Aline Seitenfus

O Sinsej esclarece aos servidores de Joinville que a assembleia prevista para a manhã desta quinta-feira (7/6) precisou ser cancela devido ao mau tempo. A paralisação durante todo o dia de hoje, no entanto, foi mantida. Em outros momentos, a categoria já realizou assembleias em dias de chuva no mesmo local. Ocorre que nunca foi preciso realizar uma votação tão importante nessas condições.

No dia de hoje, muitos trabalhadores teriam dificuldades de participar. Os poucos presentes teriam a responsabilidade de escolher entre rejeitar a proposta da Prefeitura e deflagrar uma greve em nome de todos os colegas ou aceitar esta proposta e encerrar a campanha salarial. Diante desse cenário, a direção do Sinsej precisou tomar a decisão que menos prejudicasse o conjunto da categoria. O Conselho de Representantes se reuniu no sindicato pela manhã e avaliou que a decisão foi acertada.

Nova paralisação dia 15 de junho

O Conselho de Representantes decidiu também convocar um novo dia de paralisação para 15 de junho, às 9 horas, em frente à Prefeitura. Foi descartada a possibilidade de realizar essa manifestação na quinta-feira porque nesse dia acontecerá uma Feira de Matemática que muitos servidores demonstraram a intenção de não prejudicar.

Conselho de Representantes esteve reunido hoje (7/6) pela manhã | Foto: Aline Seitenfus

Conselho de Representantes esteve reunido hoje (7/6) pela manhã | Foto: Aline Seitenfus

Este prazo também é importante porque permite a intensificação da mobilização – com visitas aos locais de trabalho, divulgações à imprensa e nos canais de comunicação do Sinsej.

Desconto dos dias parados

Na última reunião entre o sindicato e o governo, na segunda-feira (4/6), o prefeito Udo Döhler concedeu o abono das paralisações de 30 de maio e de hoje. No entanto, logo após o comunicado de que a assembleia desta manhã estava cancelada, a Prefeitura tentou fazer os servidores voltarem ao trabalho com o velho terrorismo em relação ao desconto das horas.  Essa atitude do governo demonstra desespero e prova que a decisão de manter a paralisação foi acertada.

O Sinsej lembra que essas ameaças surgem às vésperas de todas as mobilizações da categoria, com o objetivo de desmobilizar. Os servidores não devem se deixar intimidar. Riscos de desconto sempre existem, mas o sindicato trata esta questão com prioridade nas mesas de negociação.

Acima de tudo é preciso compreender que os cortes de direitos e a desvalorização salarial que os servidores estão sofrendo são prejuízos muito maiores do que os possíveis descontos. A Prefeitura só deixará de tentar intimidar quando perceber que os trabalhadores não temem ameaças.

Relembre a proposta da Prefeitura

  • Reajuste salarial de 1,69%, a ser pago sobre a folha de agosto
  • Reajuste do vale-alimentação de R$ 13,25.
  • Gratificação de interiorização aos Agentes Comunitários de Saúde (que varia entre R$ 83 a R$ 147)
  • Alteração na tabela salarial do magistério, de forma a contemplar a possibilidade de doutorado e ampliando em um quinquênio.

Para o Sinsej, esta proposta é insuficiente. Ela ignora dezenas de pontos da Pauta de Reivindicações da categoria, como a retomada do direito de licença-prêmio, e não repõe o real aumento do custo de vida dos trabalhadores.

Também é preciso destacar que a proposta da Prefeitura para implementação de um terço de hora-atividade para o magistério desconta o tempo do recreio. Com essa conta absurda, o governo compreende que os professores já estariam devendo horas.

Todos os servidores estão chamados a ajudar a divulgar essas informações e mobilizar para a próxima paralisação. A única forma de reverter os ataques e conquistar uma proposta melhor é construir uma grande greve por tempo indeterminado.

Firmes na luta! Todos à Prefeitura no dia 15 de junho, às 9 horas.

Na luta pelo serviço público #NãoTemArrego

Exibindo 9 comentários
  • Norma Tomazi
    Responder

    Minha opinião é que o sindicato antes de transferir a assembleia para outro dia deveria ter comunicado que aguardaria sobre a melhora do tempo e fazer a assembleia a tarde. Como de fato ja havia parado a chuva as 11:30 e ao meio-dia já com algumas aberturas de tempo bom.
    Nesses horários ainda estava em tempo de chamar para assembleia a tarde, já que os que pararam estavam todos atentos às notícias e comunicando-se entre si ou grupos de Watts.
    #decepcionadacomSinsej

    • Sinsej
      Responder

      Olá, Norma

      Sobre a não realização da assembleia mesmo debaixo de chuva, consideramos que foi necessário tomarmos uma decisão rápida para não comprometermos a campanha salarial.
      Mudar o horário ou local da assembleia, como você sugere, em curto espaço de tempo, iria certamente comprometer a atividade. Exigiria um poder de comunicação que não temos (ou não existe) para garantir que todos tivessem oportunidade de participar. Haveria uma insegurança instaurada sobre o que decidir com uma assembleia vazia.Já fizemos assembleia em condições de mau tempo mas nunca para tomar decisão tão séria, entre seguir para uma greve ou aceitar essa proposta tão ruim da prefeitura.
      Assim, foi prudente mantermos a paralisação e adiar a assembleia, garantindo maior publicidade e mais, fortalecendo nossa disposição de arrancarmos uma proposta melhor para toda a categoria, se mantivermos o espírito de unidade e de luta. Contamos com a sua ajuda nesse encaminhamento.

      Sobre fazer no Sinsej, o espaço não acomoda o que consideramos quorum razoável para deliberar pauta tão importante. Vamos retomar avaliação de toda a campanha, inevitavelmente, muitas vezes, mas agora o momento exige que foquemos no que temos o poder de fazer, e não é pouca coisa. Acreditemos e vamos fazer uma grande assembleia em 15/6.

  • Servidor
    Responder

    “Acima de tudo é preciso compreender que os cortes de direitos e a desvalorização salarial que os servidores estão sofrendo são prejuízos muito maiores do que os *possíveis* descontos.”

    Assim o Sindicato lava as mãos. Os prejuízos de descontos são maiores do que os possíveis ganhos. Irresponsabilidade. A assembleia poderia ter sido transferida para a sede do sindicato. Ideologia cega.

    • Sinsej
      Responder

      Olá,
      Se há algo que não existe aqui é a prática de lavar as mãos. Atualmente o Conselho de Representantes por local de trabalho tem em torno de 100 servidores. Foi com o apoio desse conselho que tomamos essa decisão.
      Por outro lado não há erro de cálculo quando avaliamos que as perdas financeiras até agora são infinitamente maiores do que um desconto de um dia. Se estivermos obstinados na busca de nossos direitos não haverá desconto algum. Contamos com você na assembleia dia 15/06.

  • Lipe
    Responder

    Acredito que deveria ter mantido a concentração em frente à prefeitura, mesmo que fossem poucos, e a assembleia para outro dia. Penso que vcs do sindicato não estão demonstrando há muito tempo confiança para nós e agora falam num “possível desconto?”

    • Sinsej
      Responder

      Olá, Lipe
      A decisão de transferir a assembleia tem o objetivo único de garantir a maior participação possível nessa tomada de decisão. É muito ruim para uma categoria tão grande que o peso da campanha salarial recaia sobre as costas de poucos. Isso desmoraliza o trabalhador e coloca a administração em uma situação cada vez mais confortável, uma vez que o próprio prefeito afirma publicamente que os servidores estão satisfeitos. Nós sabemos que isso não é verdade. O maior desconto que estamos sofrendo é essa inflação miserável jogada para agosto. Nossos salários estão sendo achatados e ao menor sinal de reação da categoria o prefeito lança mão da única arma que ele conhece, o desconto. Se tivermos uma reação contundente à altura do que esse governo merece, o desconto não acontecerá. Participe da assembleia com paralisação no dia 15 de junho, às 9 horas, em frente à Prefeitura.

  • Ilma Regina Lange
    Responder

    Eu concordo que devemos lutar juntos por nossos direitos principalmente os salarios dos professores que estão defasados.

  • Servidor
    Responder

    Cuidado! Por trás de todo esse discurso da chuva o que existe é o medo de deflagrar uma greve que não tenha adesão suficiente. Já foi decidido por eles, o sindicato está cego pela ideologia e quer a qualquer custo deflagar uma greve, doa a quem doer, já que as cabeças do movimento não correm risco nenhum. Essa atitude só vai trazer prejuízos àqueles que aderirem. Por isso adiaram para o dia 15/06, pra juntar um mínimo que eles julgam necessário para ir a greve. Cuidado companheiros, existe sim a real possibilidade de desconto e falta injustificada, junto com todos os prejuízos para a carreira, principalmente pela a baixa adesão ao movimento que tem sido demonstrada. Vale muito mais aceitar a proposta ridícula do prefeito do que tomar mais essa deste sindicato irresponsável.

    • Sinsej
      Responder

      Servidor,
      Adiamos a assembleia justamente por entender que a chuva a faria esvaziada. Não sei porque essa ideia de que o sindicato quer prejudicar os servidores. Pelo contrário, trabalhamos para que a categoria esteja cada vez mais unida e organizada pela garantia dos direitos, e trabalho e salário dignos. Desde 2010, quando nossa diretoria assumiu o sindicato, os servidores não tiveram prejuízos, e sim a garantia da inflação e mais de 13% de ganho real, repondo as perdas que teve antes disso. Conquistas como o vale alimentação para praticamente todos os servidores, triênio para as ACSs, redução de jornada para os agentes administrativos das unidades escolares sem redução de salário, e assim por diante. Quanto à possibilidade de descontos ou necessidade de reposição de horas, sempre deixamos claro que existe, mas faltas injustificadas nunca aconteceram em decorrência de greve ou paralisação.
      Se acha realmente que vale aceitar o que o prefeito oferece (não
      oferece) à categoria, faça o cálculo de tudo o que ganhou com as greves e paralisações e pense se abriria mão disso. Convido você a participar das assembleias, reuniões e outras atividades chamadas pelo sindicato, para conhecê-lo de fato e fazer uma avaliação mais concreta. Assim você pode ajudar a construir um sindicato mais forte. Sindicato são os servidores. Estamos à disposição para qualquer questionamento.
      Atenciosamente

Deixe um comentário