por
 em Joinville
Profissionais e estudantes estiveram presentes no ato contra o cancelamento de matrículas no Cedup | Foto: Francine Hellmann

Profissionais e estudantes estiveram presentes no ato contra o cancelamento de matrículas no Cedup | Foto: Francine Hellmann

Na próxima quarta-feira (4/7), os Centros de Educação Profissional (Cedup) paralisam suas atividades contra o cancelamento de matrículas nas 18 unidades do Estado. A concentração será em frente à Secretaria da Educação em Florianópolis. A decisão foi tomada ontem (28/6), em ato realizado em Joinville. Um ônibus sairá da unidade de Joinville, às 10 horas, e quem quiser participar deve entrar em contato com o Sinte pelo telefone (47) 3026-6354.

No início desta semana (25/6), alunos e professores dos Cedups foram surpreendidos com o cancelamento de matrículas para o segundo semestre de 2018. A ordem foi repassada por e-mail pela Secretaria de Estado da Educação algumas horas depois da abertura das inscrições.

Ao todo, 44 cursos não vão receber matrículas no segundo semestre. Destes, 11 em Joinville. Resultando em 575 matrículas canceladas apenas na cidade. Nesta unidade, dos 140 professores, 134 são contratados em caráter temporário (ACTs). Além de reduzir o acesso dos filhos dos trabalhadores à educação, essa ação coloca em risco os profissionais.

Todo apoio aos professores e estudantes do Cedup!

Exibindo 3 comentários
  • Servidor da educação
    Responder

    Fala vereador!!!!

    O Vereador Richard Harrison não vai se manisfetar? O governo agora é do PMDB. Meteu o pau quando o governo Colombo fechou salas de aulas.Com a palavra o vereador.

  • Servidor
    Responder

    UDO fazendo escola.

    Em comunicado interno, João Roberto Marinho, diretor editorial da Globo, impôs a censura aos jornalistas da casa, em nome da "isenção". Na prática, trata-se da "lei Chico Pinheiro", baixada na Globo depois que uma fala do apresentador num grupo de Whatsapp explicitou a indignação do apresentador com a prisão política do ex-presidente Lula. Agora, os jornalistas da Globo passam a ser vigiados em sua vida privada para que não tenham uma opinião diferente da do patrão.

  • Servidor da educação
    Responder

    E agora vereador Richard?

    ” A gestão de Pinho Moreira (MDB) está claramente atrelada a política de Michel Temer (MDB), nos ataques a educação e aos direitos dos trabalhadores. Um continuísmo do Governo Colombo (PSD) que em dois mandatos precarizou o trabalho, sucateou escolas e desvalorizou o magistério, destruindo a carreira dos/as trabalhadores/as em educação.

    Seguindo a linha política de Michel Temer, o governador Pinho Moreira (PMDB), adotou medidas e orientações para o segundo semestre na área da educação que incluem ameaça sobre o gozo de licença prêmio, a reordenação de turmas o fechamento de escolas e o cancelamento de novas matrículas nos Centros de Educação Profissional (CEDUPs). Os cortes foram anunciadas pela secretária de educação Simone Schramm, que atua com mão de ferro em cima do magistério.”

Deixe um comentário