por
 em Joinville

A eleição de representantes pode ser feita a qualquer momento, saiba mais | Fotos: Kályta Morgana de Lima

O Conselho de Representantes por local de trabalho reuniu-se nessa última quarta-feira (29/8), no Sinsej, para tratar dos principais assuntos da categoria para o próximo período. Entre eles: conquistas e pendências da última Campanha Salarial, diretoria plena e o II Congresso do Sinsej.

A reunião iniciou com a palavra da diretora Mara Tavares, que explicou a importância de se ter um Conselho ativo, que participa das atividades e leva informações aos seus colegas nos locais de trabalho. “Muitos não costumam procurar as informações no site do Sinsej e é papel do representante levá-las, criar essa ponte”, disse. Ela também reforçou a importância sobre a filiação dos servidores.

O diretor Edson fez um resumo dos últimos acontecimentos, abordando o fim da Campanha Salarial e a aprovação dos acordos de greve em lei. Ele esclareceu a mudança administrativa sobre o vale-alimentação, que agora é creditado em conta. Falou um pouco sobre a importância da participação da categoria nas atividades do sindicato, que não pode calar diante das injustiças sofridas em cada unidade.

DSC_0084

Em seguida, os servidores presentes se inscreveram e fizeram falas sobre suas experiências e dúvidas. Entre as dificuldades, a de realizar a chamada online em sala de aula nos locais que não possuem internet nem computador.

Também foi apontada a situação de falta de profissionais. Um dos exemplos citados foi a da diretora que coordena duas escolas, uma delas com mais de mil alunos, sem ter auxiliar de direção. Esse cenário acarreta desgaste físico e emocional, o que tem adoecido os trabalhadores.

Trabalho no sábado

“Não se deve trabalhar no sábado. Nossa jornada é de até 44 horas semanais, não é obrigatório que cumpramos essa hora extra”, explicou a diretora Deise Lima. A redução da carga horária para 40 horas é uma vitória conquistada com a luta da categoria. Porém, ela ainda não é realidade em todos os setores.

O exemplo recente sobre isso foi a luta dos servidores do Centro de Atenção Psicossocial III Dê-Lírios (Caps). Nesse caso, o governo queria aumentar a carga-horária sem aumento de salário. Um ataque que foi enfrentando pelos trabalhadores com greve e vencido. É somente com luta e organização que a categoria continuará firme, impedindo novos ataques da Prefeitura.

DSC_0062

II Congresso do Sinsej

Após as discussões, foi a hora de falar sobre o II Congresso do Sinsej, que acontece nos dias 22, 23 e 24 de novembro. Um momento importante para a categoria discutir e aprender com as experiências dos participantes. A eleição de delegados acontece do dia 1º a 31 de outubro. A inscrição destes e dos demais participantes será até o dia 9 de novembro. Para os que quiserem escrever teses, a data para envio é de 17 a 28 de setembro. Elas estarão disponíveis no site do Sinsej para toda a categoria, a partir do dia 2 de outubro. Mais informações serão divulgadas nos próximos dias.

Grito dos Excluídos

Foi feito o convite aos presentes para participar do Grito dos Excluídos, uma manifestação que ocorre historicamente nos desfiles de comemoração da independência em todo o Brasil.

A concentração será no dia 7, às 9 horas, em frente ao Sesc – na Rua Itaiópolis. É um momento para protestar pelos direitos, repudiar medidas de ataques e organizar os trabalhadores.

Exibindo 4 comentários
  • Agente administrativo escolar.
    Responder

    Quanto a chamada online afirmo que foi uma ótima opção para o professor, ele não tem necessidade de fazer aquela chamada nominal, ele precisa apenas anotar o aluno que faltou. O professor tem obrigação de conhecer seus alunos. Agora ele não precisa mais carregar aqueles diários de papel. Somente com um notebook ele faz todo o seu trabalho. Hora atividade é para isso, e não ficar sem fazer nada na sala dos professores. Na verdade reclama quem não gosta de coisas novas. Muitos professores não se atualizam,vivem na idade da pedra.Trabalho a 18 anos na secretaria de escola e sei como é difícil implantar coisas novas.

  • Agente administrativo escolar.
    Responder

    O GLOBO:

    RIO – O Ministério da Educação (MEC) divulgou nesta segunda-feira os resultados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) e mais uma vez o Brasil não teve o que comemorar. O país não conseguiu atingir a meta estabelecida pelo governo federal para os anos finais do ensino fundamental e para o ensino médio. A formação deficiente de professores e o modelo defasado das escolas podem estar no cerne do problema, segundo especialistas.

  • Agente administrativo escolar.
    Responder

    A educação não está essas coisas!

    Onde melhorar no Ideb

    O novo avanço de Joinville no Ideb das escolas municipais é motivo de comemoração, mas não pode ser esquecido de que se trata de uma média: há também uma desigualdade a ser corrigida. Pelo divulgado nesta semana, há um conjunto de colégios municipais que não alcançou ainda a média de Joinville registrada no Ideb de 2013 nos anos iniciais do ensino fundamental. Ou seja, está abaixo de 6,8. O Ideb geral de 2017 foi de 7,2 nessa faixa de ensino em Joinville.  

  • Caroline Borba
    Responder

    O Congresso deveria discutir as medidas impostas pelo Sinsej aos associados, sem discussão, pois NÃO interessa levar em conta os interesses dos mesmos. Ficamos sem os convênios que tínhamos e agora precisamos pagar pelo uso do cartão. Aliás, SÓ PERDEMOS com o cartão. Agora só temos 40 (quarenta) instituições conveniadas. O que “salvou” foi a MILIUM e o FORT ATACADISTA. Colocam 30 vezes a farmácia PREÇO POPULAR para inchar a lista de convênios, assim como a CALÇADOS APOLO (Andrea Moda e Couro, Brandão Comércio de Calçados e Larissa Grun Brandão Nascimento é tudo a mesma coisa – é TUDO APOLO. Aparecem trocentas vezes, como se fossem outras lojas, SÓ QUE NÃO. DECEPÇÃO!!!!!

Deixe um comentário