Emendas proveniente dos grupos foram votadas em plenário por todos os delegados | Foto: Aline Seitenfus

Emendas proveniente dos grupos foram votadas em plenário por todos os delegados | Foto: Aline Seitenfus

Terminou nesse sábado (24/11) o 2º Congresso do Sinsej. Esta é a maior instância de discussão da entidade e acontece a cada três anos, para definir a linha política soberana do sindicato para o próximo período. Nesse último dia, o plenário apreciou emendas à tese guia apresentadas na sexta nos grupos de trabalho. A resolução final, resultante de toda discussão, foi aprovada por unanimidade no fim da manhã e pode ser lida aqui. 

Esse documento representa a compreensão majoritária da categoria sobre a conjuntura política internacional, nacional, estadual e municipal. Também arma os servidores para os desafios na preservação e ampliação de direitos do próximo período. A análise situa o Sinsej como um sindicato independente, classista e de luta – reafirmando sua independência financeira frente aos governos e Patrões e a importância dos espaços democráticos do sindicato, que vêm sendo ampliados desde 2010. Além disso, a resolução contém um plano geral de lutas ao lado da classe trabalhadora do Brasil e de reivindicações imediatas e permanentes da categoria.

O Congresso é a mais alta instância de decisão do sindicato | Foto: Aline Seitenfus

O Congresso é a mais alta instância de decisão do sindicato | Foto: Aline Seitenfus

Os delegados aprovaram ainda uma moção de apoio aos servidores públicos municipais de São Paulo, cuja previdência está sendo atacada.

No encerramento, o presidente do Sinsej, Ulrich Beathalter, ressaltou a importância da realização do congresso: “Isso que fizemos nos últimos dias foi o que o movimento dos trabalhadores, com sua experiência, conseguiu acumular e estabelecer como o seu método mais democrático de construção teórica e de construção de plano de lutas”. Ele lembrou que a ampliação dos espaços de discussão do Sinsej, como o conselho de representantes, as assembleias e, sobretudo, o congresso é o que há de mais rico no desenvolvimento do sindicato nos últimos anos. “Esse mérito é de cada trabalhador da nossa categoria”.

Para a próxima semana, a principal tarefa dos servidores é a mobilização para a paralisação de 29 de novembro contra os cortes no vale-alimentação. Será às 9 horas, em frente à Prefeitura.

Resolução final foi aprovada por unanimidade | Foto: Francine Hellmann

Resolução final foi aprovada por unanimidade | Foto: Francine Hellmann

Deixe um comentário