Delegados elegeram tese guia | Foto: Kályta Morgana de Lima

Delegados elegeram tese guia | Foto: Kályta Morgana de Lima

“Há aqueles que lutam um dia; e por isso são muito bons;
Há aqueles que lutam muitos dias; e por isso são muito bons;
Há aqueles que lutam anos; e são melhores ainda;
Porém há aqueles que lutam toda a vida; esses são os imprescindíveis.”

(Bertolt Brecht)

Começou na noite desta quinta-feira (22/11) o 2º Congresso do Sinsej. A atividade acontece de hoje até sábado, no Hotel Tannenhof, e tem o tema “Sinsej 30 anos: defender o serviço público, os direitos e ajudar a reorganizar a classe trabalhadora”. Participam mais de 170 delegados eleitos nos locais de trabalho, observadores e convidados.

Neste primeiro dia, a maioria dos delegados aprovou a tese “Unir, Organizar e Lutar – Resistir aos ataques e avançar nas conquistas”, que norteará os trabalhos do Congresso. Amanhã, serão debatidas emendas e alterações no texto escolhido. No sábado, acontece a votação do documento final que guiará a política do Sinsej nos próximos três anos.

Foram eleitos mais de 170 delegados | Foto: Kályta Morgana de LimaNa abertura dos trabalhos, o presidente do sindicato, Ulrich Beathalter, ressaltou a importância dos delegados participantes: “Os que estão aqui hoje são a vanguarda da nossa categoria”, disse. “Eu tenho um orgulho gigante de estar nessa sala ao lado desses imprescindíveis”, falou, fazendo referência ao poema de Brecht.

Na mesa de abertura, saudaram a realização do Congresso representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Santa Catarina (Sinte) – regional de Joinville e direção estadual –, do Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Municipal de Florianópolis (Sintrasem), da Unidade Classista, da Federação dos Trabalhadores Municipais de Santa Catarina (Fetram), da CUT de Santa Catarina e da Liberdade e Luta. Também foi apresentado um vídeo de homenagem aos 30 anos do Sinsej.

Tese eleita

O diretor do Sinsej, Edson Tavares, que conduziu a mesa de exposição das duas teses inscritas, explicou que os textos em discussão expressavam diferentes compreensões sobre o momento atual, concepções de sindicato e de como a entidade deve atuar nesta conjuntura.

A tese eleita demonstra o entendimento da categoria sobre a necessidade de conectar as lutas específicas dos servidores com as de toda a classe trabalhadora. Sobretudo, indica que a solução definitiva para o fim da opressão sofrida pelos que têm sua força de trabalho explorada passa por uma profunda revolução social:

“O fim de toda forma de opressão, a criação de uma sociedade livre das amarras da propriedade privada e do lucro passa pela revolução social. Um sistema decadente precisa ser substituído por um novo. O Capitalismo moribundo deve ceder espaço a uma sociedade em que a resolução das necessidades humanas seja mais importante que o privilégio de qualquer família ou grupo. Acordos e alianças pela governabilidade cobram um preço muito caro e quem paga são os jovens e trabalhadores. Mas a nossa classe sabe, instintivamente, o caminho. Não tardará em se levantar e se reorganizar para lutar contra tudo o que está estabelecido.” (Trecho da tese Unir, Organizar e Lutar – Resistir aos ataques e avançar nas conquistas)

Amanhã, serão discutidas emendas à tese | Foto: Kályta Morgana de Lima

Amanhã, serão discutidas emendas à tese | Foto: Kályta Morgana de Lima

Continuidade da programação do Congresso

Dia 23/11/2018
8h às 12h – Credenciamento
8h – Instruções no plenário
8h10 – Discussão nos grupos
10h – Coffee break
12h – Almoço
14h – Palestra “O aumento da opressão aos trabalhadores e a necessidade de construir uma organização mundial de combate por um mundo mais justo e igualitário”, com Serge Goulart.
16h – Coffee break
18h – Reunião de sistematização

Dia 24/11/2018
8h – Plenária de votação de emendas
11h30 – Mesa de encerramento
12h – Almoço

Nos próximos dias o Sinsej continuará dando publicidade a todas as atividades do Congresso. Acompanhe os canais de comunicação do sindicato.

 

 

 

Deixe um comentário