por
 em Regional

Na última semana, o Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) suspendeu uma decisão liminar da Vara da Infância e da Juventude de Florianópolis que impedia que a deputada Ana Caroline Campagnolo (PSL) usasse suas redes sociais para incitar alunos a denunciarem professores por “doutrinação ideológica”.

O Sinsej manifesta repúdio à decisão da desembargadora Maria do Rocio Luz Santa Ritta e à atitude da deputada, que incita o constrangimento aos professores em sala de aula, prejudica o ensino e permite a perseguição ideológica aos profissionais.

Os professores que se sentirem coagidos devem procurar imediatamente a orientação do sindicato e não tolerar nenhum tipo de agressão ou assédio – por parte de chefias, alunos ou qualquer cidadão. O mérito da ação ainda será julgado e a decisão pode ser revertida. No entanto, é importante ressaltar que a maior arma de defesa dos trabalhadores continua sendo a organização e resistência coletiva.

Relembre o caso

Em outubro, Ana Caroline Campagnolo publicou no Facebook um pedido para que fossem denunciados professores que se posicionassem contrários à eleição de Jair Bolsonaro.

Na época, a Vara da Infância e Juventude da Capital – que condenou a deputada à retirada das postagens – compreendeu que ao incentivar as filmagens em sala de aula Ana Caroline feriu os direitos de crianças e adolescentes e os submeteu a exploração política: “representa exploração política dos estudantes, pois está ligada à intenção de deles tirar proveito, político ideológico, com prejuízos indiscutíveis ao desenvolvimento regular das atividades escolares, quer pelo incentivo à desconfiança dos professores quer pela incitação dos alunos catarinenses ao descumprimento da Lei Estadual n. 14.363/2008, que proíbe o uso do telefone celular nas escolas”.

O caso provocou reações em todo o país, e chegou a ser citado pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), durante julgamento da ação que impediu a censura às manifestações nas universidades federais.

Ana Caroline também ganhou projeção no ano passado ao afirmar que professores “só querem saber de dinheiro”. Ela responde a inquérito do MP e já teve suas contas de campanha reprovadas pelo TRE.

Exibindo 2 comentários
  • Santa Fraga da silveira
    Responder

    Boa tarde
    Professores,precisam sem sensatos,ensinarem os alunos a pensarem, a respeitar os colegas,ensinarem as crianças e adolescentes a terem uma boa convivência, fazer os alunos a enxergarem o futurob partindo das ações presentes.Desta forma estarão formando futuros cidadãos de firmes caráter.

  • Flavio Amaral
    Responder

    Temos que combater esta farsa chamada “Escola sem Partido”, que é na verdade a escola do partido repressor dos golpistas, escola com espionagem como na ditadura. São os conselhos escolares e a secretaria de educação que cuidam e prezam pela didática institucional. Deixar o ensino ser vistoriado pelos fanáticos deputados bolsonaristas é uma catástrofe. A corrente Educadores em Luta colocou um telefone à disposição de professores que se sentirem intimidados por esta perseguição: (11) 9 7244 6304.

Deixe um comentário