por
 em Destaque, Regional

Por 370 votos a favor, 124 contra e 1 abstenção os Deputados Federais  aprovaram, em segundo turno, o texto-base da proposta de emenda à Constituição que reforma a Previdência. O resultado saiu à 0h38 desta quarta-feira (7), depois de cinco horas de debates.

Veja aqui como cada deputado votou.

A sessão foi encerrada logo após o anúncio do placar. Segundo Maia, os deputados começarão a discutir os destaques em sessão marcada para as 9h de hoje. No segundo turno, só podem ser votados destaques e emendas supressivas, que retiram pontos do texto. Propostas que alteram ou acrescentam pontos não podem mais ser apresentadas.

No início da noite, os parlamentares aprovaram, em votação simbólica, a quebra do prazo de cinco sessões entre as votações em primeiro turno e em segundo turno para que a PEC pudesse ser votada ainda nesta madrugada.

O primeiro turno da proposta foi concluído no dia 13 de julho. Na ocasião, o texto principal foi aprovado por 379 votos a 131. Em segundo turno, são necessários também 308 votos para aprovar a PEC. Concluída a tramitação na Câmara, a matéria segue para análise do Senado, onde também será analisada em dois turnos de votação.

Resistência: dia 13 o Brasil vai parar – No dia 13 de agosto – Dia Nacional de Mobilização e Paralisações contra a Reforma da Previdência e em Defesa da Educação Pública, o Brasil irá parar para lutar contra a perda de direitos e os cortes na educação. Em Joinville o ato será às 9h na Praça da Bandeira e às 18h no Pórtico Univille.

Aposentadoria não é privilégio nem sonho: é um direito – Aposentadoria é um direito conquistado por homens e mulheres que trabalham muito. Agora, com promessas de mudanças e moralidade, deputados querem tirar este direito dos trabalhadores e das trabalhadoras.

Segundo a presidente do Sinsej Jane Becker, ainda dá tempo de evitarmos que este projeto seja aprovado já que ele agora segue para a apreciação dos senadores. “Além de pressioná-los para que votem contra através de suas redes sociais e ligando para os seus gabinetes, temos que parar o Brasil na próxima terça-feira. Vamos mostrar ao governo que não aceitamos voltar aos tempos da escravidão. Ou reagimos agora ou morreremos trabalhando”, declarou Jane.

Deixe um comentário