Nesta quarta-feira, 20, às 19 horas, as Vivências na Educação em tempos de pandemia serão tema de debate organizado pelo Sinsej e transmitido ao vivo na página do Facebook do Sindicato: www.facebook.com/sinsej
Devido à pandemia do coronavírus, tanto o estado de Santa Catarina como diversos municípios resolveram aderir a modalidades virtuais de ensino. Joinville e Itapoá seguiram essa mesma regra e adotaram a modalidade virtual com a plataforma do google. Desde então, para que essa modalidade de ensino seja aplicada, educadores e trabalhadores em educação estão vivenciando novas relações e realidade no trabalho com o surgimento de novas demandas, assim como estudantes e suas famílias vivenciam um novo cotidiano.
Os educadores precisam, em meio à sua rotina familiar, além de planejar suas aulas, adaptá-las à plataforma e depois incluir as informações no sistema eletrônico e aguardar pelo comparecimento e retorno dos alunos ou das famílias, no caso da educação infantil.  Do outro lado da tela, as famílias precisam ter uma estrutura básica para ter o acesso ao conteúdo: ou ter as novas tecnologias como computador e internet ou ainda se dirigir à escola para buscar e levar o material impresso, mesmo que não haja serviço de transporte.  Além dessas, há diversas outras contradições nessas novas vivências.
O governo federal, por meio da Medida Provisória 934/2020 tirou a obrigatoriedade dos 200 dias letivos, porém manteve as 800 horas/aula.
Em Joinville, diferente de Florianópolis, a adoção dessa modalidade teve apoio do Conselho Municipal de Educação que elaborou e publicou uma resolução a respeito. Na Capital, o CME rejeitou e teve amplo apoio das comunidades escolares.
Desde que publicada essa resolução, o Sinsej insiste num diálogo com a Prefeitura sobre o assunto para buscar a melhor alterativa já apontada por muitos profissionais, que é aguardar o fim da pandemia e do isolamento para então, com segurança, retomar o ano letivo.. No entanto, o governo municipal não dialoga com o Sindicato e continua pressionando os trabalhadores a cumprirem as demandas, mesmo que essas sejam muito maiores.

Debate
O debate dessa quarta-feira, 20, tem o objetivo de tratar dessas novas perspectivas e realidade na educação nos municípios, sobretudo das condições de trabalho dos servidores no setor e para isso traz como convidados:

– Celi Taffarel: Professora Doutora Titular na Faculdade de Educação da UFBA (Universidade Federal da Bahia); Doutora em Educação pela UNICAMP; Pós-Doutora na Universidade de Oldenburg, Alemanha; Professora Pesquisadora Líder no Diretório Nacional de Grupos de Pesquisa do CNPq (LEPEL E GEPEC DA FACED UFBA) e Coordenadora da ANFOPE (Associação Nacional pro Formação dos Profissionais da Educação no Nordeste do Brasil).

– Nelson Galvão: Diretor Adjunto da CNTE – CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação); Conselheiro Regional do Sindicato dos Profissionais em Educação do Município de São Paulo (SINPEEM); Licenciado em Artes Cênicas – UNESP; Mestre em Educação – UNINOVE e Professor de Arte na rede de Educação Pública do Municipal de São Paulo.

– Marlon Moraes: advogado, Cientista Político e pós graduando em Direito e Processo Previdenciário.

– A mediação será por conta de Jane Becker – professora e presidenta do Sinsej.

Acesse nossa página e participe!

Deixe um comentário