A direção do Sinsej está participando do Comitê de Ações Educacionais em Razão da Pandemia da Covid-19 criado pela Secretaria de Educação de Joinville, por meio da Portaria 313/2020, que está discutindo o retorno das aulas presenciais na rede municipal. Com sua participação, o Sinsej irá cobrar de que não haja volta às aulas sem redução drástica da pandemia e sem garantia de segurança sanitária para a comunidade escolar.

Já na primeira reunião, que aconteceu no dia 25 de junho, a presidenta do Sinsej Jane Becker expôs o posicionamento da direção sindical que defende que os espaços educacionais são fundamentais para a formação das crianças e adolescentes. “Com toda certeza o distanciamento físico da escola traz prejuízos aos educandos”. Porém, fez o alerta de que o retorno às aulas presenciais só pode ocorrer se houver garantia de segurança sanitária para toda a comunidade escolar: educandos, suas famílias e os servidores.

Por isso a direção do Sinsej defende a necessidade da participação de técnicos da área da saúde nas reuniões do Comitê que ocorrem todas as quintas-feiras pela manhã. É do conhecimento de todos que no momento o retorno não é seguro. Joinville é a cidade com o maior número de mortes em decorrência do coronavírus em todo o estado, com 39 vítimas, e com um aumento significativo de casos nos últimos dias. Ainda assim, quem tem capacidade técnica e conhecimento científico para fazer essa avaliação não é a professora que trabalha em sala de aula, nem os pais, nem mesmo a Secretaria de Educação, mas sim técnicos da área sanitária. “Não há como nós, da área da educação, sem o conhecimento técnico sanitário, definirmos qual é o momento certo”, afirmou Jane.

 

Comentários
  • PROF. LUIZ
    Responder

    ELES VÃO VOLTAR AS AULAS, MORRA QUEM MORRER!!! ABSURDO ESSA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO.

Deixe um comentário